Um olhar sobre a origem do Volunturismo

Atualizado: 10 de Jan de 2020


O Volunturismo é uma palavra muito nova, mas é basicamente a união do ato de viajar em conjunto com a realização de um trabalho voluntário - que são são atividades extremamente antigas.


Há pouco mais de 10.000 anos a sociedade viveu mudanças radicais em sua estrutura deixando hábitos e cultura de caçadores e coletores em constante peregrinação para hábitos vinculados a agricultura e a permanência duradoura em determinadas regiões. Nessa época, surgiu o conceito de viagem, pois antes disso o ato de viajar era apenas a única constante em busca de sobrevivência.


Assim surgiram as primeiras vilas, consolidando populações em terrenos com os melhores climas, relevos, e principalmente com acesso à água. Nessa nova sociedade agricultora uma nova forma de relacionamento começou: o escambo.


Através das trocas as pessoas poderiam cambiar frutas, verduras, animais ou o que mais precisasse para sua subsistência ou para melhorarem sua qualidade de vida em locais que hoje chamamos de feira ou mercado. Os "trocadores" mais habilidosos ficaram conhecidos como comerciantes e ao longo do tempo foram ganhando força, riqueza e influência em suas negociações e respectivas comunidades.


Com o início do mercado e do livre comércio ganhamos muitas possibilidades e ao mesmo tempo as primeiras desigualdades mais acentuadas. Essas novas vilas e comunidades foram criando costumes diferentes relacionados a orientação sexual, gastronomia, religião, entre outros fatures fundamentais da vida em convivência, o que eu, pessoalmente, considero muito positivo. Por outro lado foram criadas as primeiras desigualdades sociais através do acumulo de patrimônio.


Viajar se tornou uma grande aventura onde você poderia ir em rumo ao desconhecido, atrás de lendas, paisagens de tirar o fôlego ou comidas com sabores nunca antes apreciados - bem parecido com a sensação que ainda temos até hoje. Por outro lado, com o passar do tempo, aqueles antigos comerciantes foram deixando seus negócios de pai para filho, de geração a geração, aumentando suas operações e consolidando cada vez mais as famílias que detinham mais poder em cada comunidade. Paralelamente a geração de riqueza havia a geração e a consolidação da pobreza com uma casta marcada com menos privilégios e pouco acesso a serviços básicos - mais uma similaridade presente até os dias atuais.


A visão de viajar e se aventurar combinada ao fato das primeiras populações carentes nas pequenas cidades criaram um terreno fértil para o surgimento dos primeiros volunturistas. Pessoas que por meio de boas ações ajudavam outras pessoas com maior necessidade com alimento, abrigo, ou mesmo preces e tratamentos religiosos.

Há precisos 2019 anos nascia o nome mais famoso do Volunturismo no mundo, Jesus Cristo. A história de Jesus, líder do cristianismo, conta a realização de grandes ações voluntárias em meio às suas viagens. Essas mesmas atitudes foram realizadas por outros dos maiores profetas religiosos do planeta como Maomé, líder do islamismo, e o príncipe Sidarta Gautama que mais tarde seria conhecido como Buda, líder do budismo.


Fizeram o que fizeram porque queriam amenizar algumas das muitas dores do mundo espalhando o bem por onde passassem, mas não por vaidade, já que só seriam reconhecidos mundialmente por seus atos muito tempo após suas mortes.


Nem mesmo pessoas iluminadas como essas conseguiram eliminar os problemas e desigualdades do mundo, mas mesmo assim tinham convicção sobre o ato de plantar boas ações no meio do caminho.


Chegando aos dias atuais - e principalmente não comparando o volunturista atual diretamente com grandes entidades religiosas - faço a reflexão ao pensar que de um lado o mundo mudou radicalmente, mas ao mesmo tempo muita coisa permaneceu exatamente da mesma maneira.


Temos um gigante anseio de viajar, de conhecer o mundo, o diferente, de aprender com os outros, de evoluir. Ao mesmo tempo o distanciamento entre classes, recursos e a situação de vulnerabilidade social nunca foi visto em tão larga escala com o fato do mundo chegar a 7.5 bilhões de indivíduos e onde a maior parte dos recursos continua concentrada nas mãos de 1%.


Unir viagem e voluntariado é a maior possibilidade de cair no desconhecido e impactar positivamente as pessoas no caminho, principalmente, você mesmo. Dando aulas e compartilhando conhecimento em sala de aula, construindo casas e estruturas comunitárias, fazendo mutirões de saúde, ajudando pessoas em situação de rua, capacitando pessoas na construção de suas profissões e negócios, enfim, existem dezenas ou até centenas de atividades possíveis para se fazer e o que todas elas tem em comum é o fato de transformar um simples deslocamento em uma experiência verdadeiramente profunda, com grande impacto na sua vida e na vida das pessoas por onde passar.


No século 21 o mundo nunca foi tão pequeno em relação as distâncias geográficas, e nunca foi tão grande em relação as distâncias entre pessoas. O Volunturismo é um tipo de experiência que nos coloca em uma posição de humildade, de aprendizado, e que faz possível, pouco a pouco, e ação por ação, praticar valores trazidos por aqueles primeiros e famosos volunturistas que passaram por aqui.


Daniel Cabrera

Co-fundador e Diretor Executivo da Vivalá