Turismo e Voluntariado em Aldeias Indígenas: a atuação da Vivalá

Quando a Vivalá se propôs a fazer turismo sustentável no Brasil e atuar junto a comunidades tradicionais do país, sabia que, obviamente, os povos indígenas deveriam ser parte fundamental desse trabalho.


Desde o início, a Vivalá entende a necessidade de conhecer e apoiar a causa indígena no Brasil. Entendemos que o turismo pode ser uma ferramenta poderosa para isso, desde que realizado com muita responsabilidade e respeito. Felizmente, nossos viajantes sempre compartilharam dessa postura e temos orgulho de facilitar essa troca entre indígenas, não indígenas, pessoas.


Hoje vamos apresentar um pouco do trabalho que realizamos até aqui e o que temos reservado para um futuro próximo a respeito da atuação junto aos povos indígenas brasileiros.


Aldeia Takuari-ty, Indígenas Guaranis (Expedição Mata Atlântica)



De 2017 a 2019, a Aldeia Guarani Takuari-ty participou das sessões de mentoria e capacitação promovidas pela Vivalá nas Expedições Mata Atlântica, em Cananéia (SP).


Durante esse período, apoiamos os indígenas a desenvolver o turismo de forma sustentável tanto sob o aspecto ambiental quanto social, discutindo desde a infraestrutura necessária até o modelo de negócios.


Além do voluntariado, a Aldeia Takuari-ty também era uma das atrações de turismo de base comunitária daquelas viagens. Os viajantes volunturistas tinham a oportunidade de vivenciar, na prática, aquilo que foi discutido durante as sessões de mentoria.


Um dos momentos mais emocionantes de cada Expedição ocorre ao final, em um ritual de proteção, onde através da fumaça, o Pagé - líder espiritual da aldeia - abençoa e pede proteção a cada membro do grupo da Vivalá. Uma sensação emocionante, de sinergia com os povos ancestrais, respeito e bem estar. É de arrepiar.


Aldeias do Amazonas (Expedição Amazônia Rio Negro)



A Expedição Amazônia: Rio Negro tem como foco as populações tradicionais ribeirinhas, entretanto, na maioria delas visitamos aldeias indígenas da região, como as comunidades Cipiá e Tatuyo. É uma oportunidade para os volunturistas interagirem com etnias que habitam a Amazônia e aprenderem um pouco mais sobre a cultura e o cotidiano desses povos.


É um dos momentos de profundo aprendizado, onde os olhos observam atentamente, os ouvidos escutam sons que fascinam e a boca se fecha para que possamos absorver. Os indígenas têm todo o espaço para apresentar sua cultura e suas ideias, sem qualquer tipo de intermediação.


A experiência é uma oportunidade para escutar sobre ancestralidade e quebrar estereótipos e preconceitos a respeito de povos ancestrais.


O turismo em reservas indígenas, realizado com responsabilidade, é um instrumento poderoso de empoderamento cultural, geração de renda, quebra de preconceitos e apoio à causa indígena.


Aldeia Shanekawa (Acre)


No início de 2020, visitamos a Aldeia Shanekawa no Acre com o intuito de conhecer os povos da região e organizar uma expedição de turismo sustentável juntos. A vivência foi excepcional e ouvimos com atenção os membros da comunidade, suas necessidades, expectativas, e interesse em receber grupos de volunturistas.


O formato desta que deve ser a primeira expedição Vivalá 100% focada no povo indígena está no forno, e assim que for seguro para as populações tradicionais e para os viajantes será lançada. Aguarde por novidades!


O Dia do Índio



O respeito e sentimento por toda população dizimada na invasão colona, o apoio à demarcação de terras, e o respeito à cultura dos nossos parentes originários obrigação de todo cidadão brasileiro. Os indígenas os maiores guardiões de nossas riquezas naturais, como a floresta amazônica e nunca foram tratados com o respeito devido.


Por volta de 1.500 estima-se que existissem no Brasil 6 milhões de indígenas espalhados por todo o território nacional com quase 1.000 etnias. Ao longo dos últimos 520, 87% dessas pessoas foram mortas, restando em pouco mais de 800.000 pessoas de 230 etnias as marcas de luta de tanta opressão. Como se não bastasse, em tempos de pandemia a urgência dessas questões é ainda maior.


A Vivalá entende o Dia do Índio como uma oportunidade para que nós, brasileiros, possamos refletir, discutir, aprender e nos conscientizar a respeito da causa indígena e entender de que forma devemos contribuir com ela.


O Brasil não foi descoberto, os indígenas já estavam aqui.