A profunda gratidão dos ribeirinhos na Amazônia

Ao falarmos sobre a Amazônia podemos estar falando de sua bacia hidrográfica, que tem uma área de aproximadamente 7.000.000km2 , ou podemos estar nos referindo ao bioma com sua rica fauna e flora com dezenas de milhares de espécies, ou até da região como espaço político-geográfico tendo em vista sua presença em 9 países e 9 estados brasileiros, correspondente a 61% do território brasileiro.


A região já sofreu, e ainda sofre, com a exploração desenfreada de seus recursos naturais, além de muitas barreiras de inclusão. Falta de empregos formais, escolas, saneamento básico, coleta de lixo e meios de transporte mais baratos para percorrer as grandes distâncias geográficas de comunidades para centros urbanos. O que não falta aos ribeirinhos é a gratidão, pois mesmo enfrentando várias dificuldades eles sempre mantêm um sorriso gigante no rosto e uma energia muito positiva por tudo o que possuem. Veem a riqueza na natureza, na fartura, na paz e na independência ao comandarem seu tempo e atividades de vida.

Os ribeirinhos entendem, de maneira muito mais profunda do que nós da cidade, a interdependência do ser humano com os recursos naturais e por isso se tornam grandes respeitadores e tomam todos os cuidados para proteger o meio ambiente em seu entorno. Sabem há muito tempo que somos um só ecossistema.


Para exemplificar, uma vez, conversando com o Chiquinho, empreendedor da Açaí Caboclo na comunidade de Lago do Acajatuba no Rio Negro e mentorado da Vivalá eu perguntei: "- Chiquinho, você gostaria de ser rico?" Ele olhou pra mim, olhou para o sol que refletia no rio que fica bem em frente à sua casa, viu que estava cercado de plantas, de seus filhos brincando livremente, que tinha todo o básico necessário em sua casa e respondeu sorrindo: "- Mais rico do que isso Dan? Eu sou rico demais e agradeço todos os dias por isso."


A resposta foi como um soco na cara, um chacoalhão violento que me mostrara que riqueza não tinha necessariamente a ver com dinheiro, mas sim com seu estado de espírito e a gratidão que você tem pela vida que leva. Essa foi uma das maiores lições que poderia aprender e vou levar esse ensinamento que recebi do Chiquinho para o resto de minha vida. Por isso, não perca a oportunidade de ouvir e aprender com pessoas mais sábias, isso fará de você uma pessoa cada vez melhor.


Se você quiser se aprofundar ainda mais na vida dos ribeirinhos da Amazônia, baixe o e-book super completo que nós produzimos e mergulhe um pouquinho nessas comunidades que nós consideramos um dos tesouros brasileiros.


Daniel Cabrera Cofundador e Diretor Executivo da Vivalá

Confira outros textos que você pode gostar:

Porque acho que você deve conhecer a Amazônia

Uma viagem inesquecível ao Brasil

Porque manter o coronavírus (COVID-19) longe de comunidades ribeirinhas é uma prioridade