6 razões para incentivar pequenos negócios locais



Embora estejamos acostumados com notícias sobre grandes empresas brasileiras e multinacionais entenda porque os micro e pequenos negócios deveriam ser olhados com muito mais atenção no país.


1. OS PEQUENOS NEGÓCIOS SÃO OS MAIORES EMPREGADORES DO BRASIL

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) o Brasil tem uma força de trabalho de 105 milhões de pessoas. Destas, 61 milhões são de trabalhadores formais, ou seja, que são registrados em suas carteiras de trabalho. De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), 54% dos empregos formais são gerados pelas pequenas empresas.


2. TEMOS 38 MILHÕES DE TRABALHADORES INFORMAIS

Isso levando em consideração exclusivamente os empregos formais, mas que evidentemente não respondem a total realidade brasileira. No nosso país, 41% da força de trabalho é informal o que significa que não são registrados em suas carteiras de trabalho e não possuem nenhum tipo de auxílio previstos no âmbito da seguridade social por não contribuírem com a previdência. Dois fortes fatores para manter esse número extremamente elevado e não aumentarem ainda mais o número de pequenos negócios formalizados são causados pela alta burocracia em constituir um negócio e a gigante carga tributária brasileira.

De acordo com a Gazeta do Povo a média de tempo utilizado para abrir uma empresa no país é de 117 dias, isso mesmo, quase 4 meses ininterruptos de trabalho. Isso coloca o Brasil na vergonhosa posição de 175 de 190 países analisados por tempo de abertura de um negócio. Do ponto de vista de carga tributária temos que pagar 34% de imposto, o mais elevado da América Latina segundo o Banco Mundial e isso faz com que micro negócios que mal geram renda de subsistência para o empreendedor seja totalmente impossibilitado de se formalizar.


3. REDUZ A DESIGUALDADE SOCIAL Segundo a Carta Capital, o Brasil é o segundo país mais desigual do mundo, somente atrás do Catar. Isso quer dizer que 1% da população mais rica detêm 28% de toda a renda gerada. De acordo com o IBGE o trabalhador com carteira assinada tem uma renda média de R$ 2.169, o micro empreendedor recebe R$ 1.427 e, no caso do trabalhador informal, o valor cai ainda para R$ 1.312. Por isso é tão importante incentivar pequenos negócios, potencializar a economia local, aumentar a distribuição de capital e renda, e aumentar a qualidade de vida de cada vez mais pessoas.


4. INCENTIVE A AUTENTICIDADE DO ARTESANAL

Os pequenos produtores normalmente não utilizam alta tecnologia, mas sim mão de obra local, artesanal, e é também por isso que são grandes empregadores. Devemos valorizar o tempo, cuidado e exclusividade de cada peça trabalhada de forma artesanal e isso vem sendo feito cada vez mais. Consumidores estão valorizando de forma crescente experiências mais simples, autênticas e orgânicas ao comprar comida, cosméticos, vestuário e até viagens, como no Volunturismo.


5. CONHEÇA PESSOAS APAIXONADAS PELO QUE FAZEM, CONHEÇA GRANDES HISTÓRIAS

Acreditamos que empreendedores com empresas de diferentes tamanhos tenham paixão por suas iniciativas, entretanto, não conhecemos facilmente diretores de grandes corporações. Esse é outro ponto positivo ao consumir do pequeno negócio. Nessa relação você está frente a frente com o empreendedor que está por trás daquela iniciativa. Ele te recebe, te explica com propriedade cada atributo do produto ou serviço, tem sua imagem pessoal como garantia e te ajuda caso algo dê errado. Fora isso, muitas vezes recebemos uma aula de vida. Converse, ouça, conheça as pessoas e entenda como elas enxergam a vida e o futuro. Essa troca de ideias será engrandecedora.


6. SEJA MAIS SUSTENTÁVEL

Muito se fala sobre sustentabilidade, mas como ser mais sustentável ? Comprando de produtores locais você diminui a logística, que diminui o consumo de combustíveis fósseis, a emissão de CO2 na camada de ozônio e até o preço pra você, pois com transportes menores, o custo também irá ser menor. É bom pra todo mundo. Outro aspecto fundamental é o cuidado com a terra e a natureza. Segundo Augusto Luiz Billi, auditor fiscal federal agropecuário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) "Ninguém preserva mais a Amazônia que os produtores locais". O auditor diz isso porque nos últimos 40 anos enquanto a produção de grãos aumentou 397%, o aumento de área foi de apenas 45%. Muito do desmatamento vez de práticas ilegais de madeireiras, garimpo e criação de gado em pasto aberto, e não pela agricultura familiar.


Por essas e muitas outras razões incentivamos você a olhar com mais atenção e fortalecer pequenos negócios locais com seu consumo, desta forma o crescimento de um ecossistema todo mais próspero irá se formar ao longo do tempo.


Apoie o local.


Na Vivalá temos o apoio a pequenos negócios como nosso dna. Em todas as expedições temos como nossos fornecedores pequenos negócios para que possamos fazer a injeção de capital e ajudar na melhoria a curto prazo da qualidade de vida da população da região. No longo prazo realizamos nosso trabalho de volunturistas na capacitação profissional de microempreendedores utilizando a metodologia da Universidade Vivalá de Negócios. Com essas iniciativas e em 47 expedições apoiamos atualmente mais de 150 pequenos negócios e injetamos R$ 500.000 em suas comunidades através da compra de serviços e produtos.